Quem sou eu

Minha foto
Petrópolis, RJ, Brazil
Danny Reis, cantora, revisora e tradutora. Apaixonada por artes, idiomas e comportamento.

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Dinheiro e felicidade


Ontem li uma matéria no jornal tão besta, mas tão besta... Ela falava de uma pesquisa igualmente bobalhona, feita provavelmente por um instituto que não tinha mais o que fazer. A pesquisa descobriu que o dinheiro traz, sim, felicidade. Que, em suma, tudo que se traduz em satisfação (leia-se conforto e consumo) pode ser comprado.

Agora me digam: pra que uma besteira dessas? O que se faz com tal resultado estatístico? Começa-se a passar por cima dos outros, pra se almejar essa riqueza? A roubar? Que inversão de valores é essa?

Direi apenas que tal pesquisa não influencia em nada do que eu penso.

Ainda acredito que é bom poder comprar coisas bonitas, que nos deem conforto, mas as coisas mais importantes não se compram.

Que amizade não se compra; conquista-se. Amor, idem.

Que satisfação profissional é mais do que ter um belo salário no final (ou início) do mês: é fazer o que se gosta ou, no mínimo, esforçar-se para gostar do que se faz.

Que a culpa tem um preço enorme.

Que competir com os outros só é bom no esporte.

Na boa? Eu fecho com o Zeca Baleiro e a Ceumar (sempre ela!):

Divinha o que primeiro
Vem amor ou vem dim-dim
Dindinha, dê dinheiro
Carinho e calor pra mim



quinta-feira, 2 de maio de 2013

Se Eu Soubesse (Chico Buarque)


Ah, se eu soubesse, não andava na rua
Perigos não corria
Não tinha amigos, não bebia
Já não ria à toa
Não ia, enfim, cruzar contigo jamais

Ah, se eu pudesse, te diria, na boa
Não sou mais uma das tais
Não vivo com a cabeça na lua
Nem cantarei "eu te amo demais"
Casava com outro, se fosse capaz

Mas acontece que eu saí por aí
E aí, larari larari larari larará...

Ah, se eu soubesse, nem olhava a lagoa
Não ia mais à praia
De noite não gingava a saia
Não dormia nua
Pobre de mim, sonhar contigo, jamais

Ah, se eu pudesse, não caía na tua
Conversa mole outra vez
Não dava mole à tua pessoa
Te abandonava prostrado aos meus pés
Fugia nos braços de um outro rapaz

Mas acontece que eu sorri para ti
E aí, larari larará lariri, lariri...